sexta-feira, 27 de novembro de 2009

CAMPANHA IÇARA CONTRA A DENGUE EM MOVIMENTO...


Acompanhando o início da campanha Içara Contra Dengue, a equipe Verde Natural esteve no posto da Polícia Rodoviária, no bairro Liri, onde observou a interação dos motoristas com a ação realizada, que foi a entrega de chaveiros, panfletos e bolsas ecológicas.


De acordo com o coordenador da vigilância epidemiológica, Gustavo de Jesus, a campanha de hoje também está sendo realizada na rodoviária do município e no colégio Salete Scoti dos Santos.

O coordenador falou ainda que esta ação, que teve início hoje, se estenderá até março de 2010 e que o munícípio se encontra em uma área de risco devido à localização, ao clima nesta época do ano e à possibilidade de mosquitos de outras regiões do país serem trazidos por caminhões ou cargueiros de outros tipos.


VALE A PENA LEMBRAR: TODA ÁGUA PARADA ACUMULADA, SEJA ONDE FOR: PNEUS, CAIXAS DÁGUA, VASOS DE FLOR, POTES, GARRAFAS VAZIAS, BEBEDOURO DE ANIMAIS, OU QUAISQUER OUTROS TIPOS DE RECIPIENTES, PODE CONTER LARVAS DO MOSQUITO Aedes Aegypti.

VALE A PENA LEMBRAR 2: O MOSQUITO PREFERE A ÁGUA RIGOROSAMENTE LIMPA!

O que fazer com pilhas e baterias usadas?


As pilhas e baterias apresentam em sua composição metais considerados perigosos à saúde humana e ao meio ambiente como mercúrio, chumbo, cobre, zinco, cádmio, manganês, níquel e lítio.

Uma maneira de reduzir o impacto ambiental do uso de pilhas e baterias é a substituição de produtos antigos por novos que propiciem um maior tempo de uso, como por exemplo o uso de pilhas alcalinas ou de baterias recarregáveis no lugar de pilhas comuns.

Metais pesados podem provocar doenças neurológicas, disfunções renais, hepáticas e até osteoporose, além de distúrbios neuropsiquiátricos

Para evitar que isso aconteça, o mais correto a ser feito, é devolver pilhas e baterias usadas aos locais em que foram comprados. De acordo com a lei, estes estabelecimentos devem recolher tais componentes com metais pesados e encaminharem ao destino indicado.

Foto: Edificio LDV

O que é BIODIVERSIDADE?


Biodiversidade ou diversidade biológica é a diversidade da natureza viva. Pode ser definida como a variedade existente entre os organismos vivos.

Ela pode ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos: ecossistema, comunidade, espécies, populações e genes em uma área definida.

A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.

Foto: PPPG - UFMA

Árvore da semana: OS IPÊS


Árvore de grande porte, arredondada e elevada. Troncos de cor pardo-escuro. As espécies neste gênero são importantes como árvores de madeira. A madeira é usada para mobília, e outros usos ao ar livre; é mais denso do que a água (se afunda).

É cada vez mais popular como um material de “decking” devido a suas resistência e durabilidade de inseto. Em 2007, a madeira certificada do ipê tinha-se tornado prontamente disponível no mercado, embora os certificados fossem forjados ocasionalmente.

O Ipê é amplamente utilizado como a árvore decorativa nos trópicos em jardins, nas praças públicas devido à sua florescência impressionante e colorida. São úteis como plantas de mel para abelhas, e são popular com determinados colibris.

A casca de diversas espécies tem propriedades médicas. A casca é secada e fervida então fazendo um chá amargo ou ácido-gosto acastanhado-colorido.

O chá da casca interna de Ipê rosa é um remédio erval é usado tipicamente durante a gripe e a estação fria e facilitando a tosse do fumante. Trabalha aparentemente como o expectorante, promovendo os pulmões para tossir e livrar do muco.

São dotadas de lenho muitíssimo resistente à putrefação. Sua madeira, ainda, é muito dura, e resistente, ela é branca, levemente rosada, uniforme, leve e durável, própria para marcenaria fina. O ipê é considerado árvore nacional.

Planta da semana: MILHO


O milho é um cereal de altas qualidades nutritivas. É extensivamente utilizado como alimento humano ou ração animal.

Um dos alimentos mais nutritivos que existem. Puro ou como ingredientes de outros produtos, é uma importante fonte de energética para o homem.

Ao contrário do trigo e o arroz, que são refinados durante seus processos de industrialização, o milho conserva sua casca, que é rica em fibras, fundamental para a eliminação das toxinas do organismo humano.

Além das fibras, o grão de milho é constituído de carboidratos, proteínas, vitaminas (A e complexo B), sais minerais (ferro, fósforo, potássio, cálcio), óleo e grandes quantidades de açúcares, gorduras, celulose e calorias.

Maior que as qualidades nutricionais do milho, só mesmo sua versatilidade para o aproveitamento na alimentação humana. Ele pode ser consumido diretamente ou como componente para a fabricação de balas, biscoitos, pães, chocolates, geléias, sorvetes, maionese e até cerveja.

Apesar de serem usados para fazer pães, o milho não contém a proteína glúten. Isso faz com que os assados de milho não sejam especialmente nutritivos (como é o caso dos assados feitos de trigo).

Fruta da semana: ABACAXI


O abacaxi é oriundo da América do Sul e cultivado em qualquer região quente do mundo. Tem grande aceitação tanto natural quanto industrializado.

É conhecido também como ananás, como é chamado nos países de língua espanhola.

Quando maduro apresenta sabor muito ácido e muitas vezes adocicado. É rico em vitaminas C, B1, B6, ferro, magnésio e fibras.

Devido sua beleza e existência da coroa, o abacaxi é conhecido como rei dos frutos. Na gíria brasileira, é comumente utilizado significando algo que não apresenta bom resultado, devido o seu aspecto espinhoso.

Além da polpa, as cascas e o miolo do abacaxi podem ser utilizados para a produção de sucos. Previne dores de garganta e resfriados e é bom para a circulação por conter a enzima bromelina. Servindo também como tempero para amaciar carnes.

O abacaxi pode ser consumido in natura, industrializado sob a forma de geléia, vinho, cristalizado, passa, licor. Ao comprá-lo é bom observar se as folhas da coroa não estão secas nem murchas, se o cheiro está bom e se não existem manchas.

O melhor período de safra compreende o mês de dezembro a janeiro.

O abacaxizeiro é uma planta que atinge um metro de altura, já era cultivada pelos indígenas antes mesmo do descobrimento do país.

Os principais países produtores de abacaxi são os Estados Unidos, o Brasil, a Malásia, Formosa, México e as Filipinas.


Por Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Lixeira falante ajuda cegos a proteger o meio ambiente

Em Minas, um grupo de estudantes universitários criou um aparelho que ajuda portadores de deficiência visual a proteger o meio ambiente.

Andar assim nas ruas não é fácil. Se houver uma lixeira no caminho, então. “A gente só encontra quando a gente não quer, porque aí você tromba nela, machuca”, disse o professor Ananias Moreira.

E lixeira de coleta seletiva, em que cada uma é pra um tipo de material? Um problemão para os deficientes visuais! “É, porque você não sabe o lugar que você está jogando o lixo, se está certo, se está errado”, disse uma jovem.

Pois em uma escola especial, em Belo Horizonte, ninguém mais esbarra nelas, nem erra o alvo. A diferença aqui é que as lixeiras falam. Isso mesmo. Basta alguém se aproximar. "Lixeira para plástico". E é assim com cada uma delas. Aí, fica fácil acertar.

Um sensor de presença emite o som. Como normalmente os cegos usam o tato para identificar as lixeiras, esta é mais higiênica. “É maravilhoso. Além disso, preservar a natureza, fazer reciclagem, que eu acho excelente”, disse a professora Luzia Mendes Camargos.

É o resultado de uma pesquisa de estudantes de Engenharia Ambiental. Eles gravaram as mensagens em sensores comuns.

Testaram a altura que também facilitasse a vida de pessoas em cadeira de rodas. E usaram cores pra orientar quem enxerga.

"As linguagens, elas estão variadas, ali. Então, com certeza isso vai atender a todas as pessoas”, acredita o estudante de Engenharia Ambiental, Robson Tupi Alves.

Apesar de simples, a ideia surpreende. "Ótimo também que ela fala, avisa”, disse seu Ananias. Ele, pela primeira vez, acertou a lixeira de coleta seletiva sem pedir ajuda a alguém. “A gente sente independência. E é gostoso sentir essa independência, né?!”.

PARA ASSISTIR AO VÍDEO CLIQUE AQUI.

Fonte: Portal G1

Saiba se um produto é ecologicamente correto pelo código de barras


Você está fazendo compras e se interessa por um produto, mas, antes de comprá-lo, quer ter certeza de que ele foi fabricado dentro dos padrões socioambientais. O que fazer? Voltar para casa e pesquisar a empresa que produz o artigo na internet, além de dar muito trabalho, não é nada moderno.

Na onda dos gadgets verdes, a moda agora – pelo menos nos EUA – é consultar, pelo seu celular ou iPhone, o novo aplicativo da GoodGuide – uma organização norte-americana que incentiva o consumo consciente – e descobrir, na hora, se o produto que você está comprando é ambientalmente correto.

Apenas com o número do código de barras, o aplicativo informa ao consumidor o grau de responsabilidade social e ambiental das mercadorias e, também, das empresas fabricantes. E, tudo isso, de graça! O serviço pode ser baixado por mensagem de celular – mas apenas os norte-americanos podem fazer uso dessa opção – e, também, pelo programa iTunes, para ser usado em iPhones. (Leia aqui as instruções para fazer o download do aplicativo)

Até agora, segundo a GoodGuide, mais de 60 mil produtos e empresas já foram cadastrados no aplicativo. Como o serviço nasceu nos EUA, mais uma vez os norte-americanos levam vantagem: muitas mercadorias que fazem parte do projeto, por enquanto, são comercializadas apenas lá.

Mas a empresa tem uma solução para isso: toda vez que um usuário não encontrar um produto no sistema, ele será, imediatamente, priorizado na lista de inclusão de mercadorias da GoodGuide. Assim, quanto mais brasileiros usarem o aplicativo, mais ele vai ganhando a nossa cara.

Você usaria o serviço?

Fonte: Planeta Sustentável

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

E se sustentabilidade fosse legal?


Se ter hábitos sustentáveis fosse divertido (e, talvez, seja) você estaria mais disposto a adotá-los? A Volkswagen acredita que sim e, por isso, criou a Fun Theory. A ideia é incentivar as pessoas a mudarem para melhor sem precisar discursar, apenas com um estímulo à diversão.

Para provar a teoria, foram criadas três situações para estimular atitudes ecologicamente corretas:

- uma lixeira que, ao receber lixo, faz um som engraçado, simulando profundidade, como o de desenhos animados quando algum objeto ou personagem cai de um lugar muito alto;
- a escada de piano e
- um depósito de garrafas de vidro para reciclagem que acende luzes e acumula pontos à medida em que são as unidades são descartadas.

Tudo acontece de maneira bastante natural. As instalações são “abandonadas” na rua até que alguém resolva testá-las e ver como funcionam. Não foi preciso ter nenhuma placa de “experimente” para que o os pedestres preferissem a escada de piano à escada rolante, logo ao lado.

A lixeira, depois que passou a fazer barulho, recolheu 41 kg a mais que outra, comum, bem próxima dali e o coletor de garrafas foi usado por quase mil pessoas enquanto o convencional foi escolhido apenas duas vezes.

Os vídeos servem como inspiração para quem quiser publicar a própria invenção, que pode ser apresentada também no formato de fotos ou desenhos e não precisam, necessariamente, ter o meio ambiente como tema.

Os 10 melhores serão selecionados em dezembro e colocados em prática e seus criadores ganharão prêmio em dinheiro. Ser sustentável pode ou não pode ser legal? Veja aqui o que já foi feito ou acesse o site Fun Theory!

video

Fonte: Blog Planeta Sustentável - Superinteressante

Içara dá a largada na campanha de combate à dengue


Já estava programada, mas com a identificação de um foco de mosquito da dengue na empresa Copaza, em Içara, agilizou os trabalhos.

A Secretaria de Saúde e equipe da Vigilância Epidemiológica, através do Programa de Combate a Dengue, dá inicio a Campanha de Combate a Dengue, na sexta-feira, dia 27, das 14 às 19 horas. Para a campanha será montado um posto móvel de orientação em frente ao posto da Polícia Rodoviária Estadual no bairro Liri.

Mas desde ontem as agentes do programa já estão de casa em casa, primordialmente na região próxima ao foco identificado, para orientar os moradores sobre os cuidados para evitar a disseminação do mosquito.

Gustavo de Jesus, coordenador da Vigilância Epidemiológica no município, informou que atualmente Içara possui 216 armadilhas e 78 pontos estratégicos e os últimos focos registrados foram em 2008, um em janeiro e outro em março. Por isso é importante salientar que a população tem papel fundamental na prevenção e combate ao mosquito da Dengue”.

O coordenador da Vigilância ainda ressalta que nos meses de novembro a março existe o risco maior do aparecimento do Aedes Aegypti, devido às condições climáticas e geográficas.

Fonte: Paula Leitão - Içara News
Com informações da PMI

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS


A definição de uma comissão permanente de discussão e proposições foi o resultado do 1º Fórum Municipal Lixo & Cidadania, realizado no sábado, no Teatro Rogacionista, do bairro Pinheirinho.


Várias entidades participaram do evento - representantes dos movimentos sociais, ONGs ambientalistas, associação de catadores, poder público e universidade – que teve o objetivo de debater a situação atual da gestão de resíduos sólidos no município de Criciúma.


No primeiro tema da programação, o professor Mario Ricardo Guadagnin, do curso de Engenharia Ambiental, enfatizou as consequências da ausência de gestão integrada de resíduos sólidos no município.


Ele abordou sobre a coleta, tratamentos e destinos finais de resíduos sólidos urbanos, fazendo, principalmente, uma recuperação retrospectiva das implantações e reimplantações de programas de coleta seletiva ocorridas durante as últimas duas décadas (1989-2009).


Unir forças


Conforme Guadagnin, a coleta seletiva com inclusão social é uma oportunidade de unir forças e é de suma importância, desde que tenha o compromisso do administrador público e dos catadores na construção de políticas municipais voltadas para uma gestão participativa dos resíduos sólidos com inclusão social. “É evidente quando se entende a dimensão dos benefícios potencialmente gerados”, destacou.

Fonte: Assessoria de Comunicação Zeca Virtuoso - Unesc

Comentário do Blog: Iniciativa deste porte, bem que poderia ser implantada em Içara. Para que isso aconteça, é necessária a participação firme e decisiva da Prefeitura e Câmara de Vereadores criando condições sociais e econômicas para que possamos tratar melhor o nosso lixo. Afinal, comprovadamente, a coleta seletiva, além de ser ótima para o Meio Ambiente, gera recursos para as classes menos favorecidas.

Entidades como: CDL, ACII, Câmara da Mulher Empresária, UACI, os próprios partidos políticos, independente de estarem ou não no poder, organizações tipo Movimento Içarense pela Vida, devem adotar e patrocinar uma iniciativa desta envergadura. Afinal de contas, o meio ambiente agradece!